Lista,

Lista: 10 pilotos 'lendários' que passaram pela Williams

2/24/2019 F1 Fanático 0 Comentarios


Já que o pessoal gostou da lista do 10 pilotos lendários que tiveram o prazer de pilotar para a finada Sauber, vamos agora falar dessa equipe outrora vencedora e agora virou uma Minardi com grife, a Williams, última dos garagistas. E nesses 42 anos de história (não vou contar o período da primeira equipe do Tio Frank de 69 a 76) tivemos grandes nomes correndo pela equipe, a única a ter o fab four da F1 nos anos 80/90 (Piquet, Mansell,Senna e Prost), mas também grandes nomes lendários que marcaram a equipe para sempre! chega de blablablá, vamos  à lista (em ordem cronológica):

Patrick Neve - O primeiro piloto da equipe Williams em 1977, quando Tio Frank e Patrick Head juntaram uns trocados e arrumaram um March para correr. Como faltava uma grana, o belga Neve - que tem mais sobrenomes do que D.Pedro I - tinha um patrocínio de uma cervejaria de seu país e de brinde, pode correr na temporada 77. O March estava defasado, e o Neve era meio manetão- teve três DNQ no ano- , mas ainda sim ele ficou em sétimo em Monza - seu melhor resultado. Mas assim que a Williams arrumou a grana dos sauditas, chutou Neve e fechou com Alan Jones.


Derek Daly - O irlandês já tinha tido sua vez na F1 correndo na Hesketh, Ensign, Tyrrell, March e Theodore paralelamente fazendo o trabalho de piloto de testes da Williams. E em 82, Reutemman vazou após a segunda corrida, Andretti correu em Las Vegas e pediu muita grana pro sovina do Tio Frank, que decidiu promover Daly para ser o companheiro de equipe de Keke Rosberg. E ele foi até razoável, com 3 quinto lugares como melhor resultado. O problema de Daly é que Rosbergão foi campeão daquele ano. Daly foi chutado no fim do ano de Jacques Laffite foi chamado.

Jonathan Palmer - O glorioso campeão da obscura copa Jim Clark nos anos 80 pela Tyrrell começou a carreira na Williams. Em 1983, ele era o piloto de testes da equipe quando Tio Frank fez algo pela primeira e última vez: Inscreveu três carros para uma prova, o GP da Europa em Brands Hatch, como prêmio por ter sido Campeão da F2 em 83. Ele terminou em décimo terceiro, mas assim como quase todo mundo dessa lista, foi chutado pelo Tio Frank. Ao menos ele conseguiu - sabe-se lá como0 se manter na F1 até 1989


Jean-Louis Schlesser - Antes de se tornar um dos Grandes vencedores do Paris Dakar, esse francês era um dos pilotos de teste da Williams em 1988 e estreou na equipe em 1988 graças ao Nigel Mansell, que ficou com catapora e ficou de fora em duas corridas - outra ele foi substituído pelo Martin Brundle - O carro da Williams com o motor Judd era um cocô e Schlesser não tinha lá muita experiência de corrida e assim, não estava lá essas coisas. Mas ele em uma corrida virou herói dos ferraristas, ao atrapalhar o líder Ayrton Senna, que iria dar uma volta nele, que rodou e abandonou a prova. com isso a Ferrari fez a dobradinha em Monza poucos dias depois da morte de Enzo Ferrari. Tem estátua pra ele no museu da Ferrari e tudo por conta disso!

Marc Gené - O rei dos pilotos de teste nos anos 2000 também teve sua chance de mostrar seu talento na Williams em duas oportunidades, graças a manetadas de Ralf Schumacher, em 2003 e 2004. Em 2003, Gené foi até bem, conseguindo um quinto lugar em Monza. Já em 2004, nos GPs da França e da Grã-Bretanha, ele conseguiu no máximo ficar em décimo em Magny cours com a Williams bico-prestobarba e foi substituído pelo outro piloto de testes da equipe que virá a seguir


Antônio Pizzonia - O Jungle boy virou febre na base do automobilismo, tanto que Tio Frank acreditou e fez um contratão para ele, pensando em se tratar do novo Senna (o que aconteceu muito com várias equipes no início dos anos 2000). Após levar um pau homérico de MARK WEBBER quando esteve emprestado para Jaguar em 2003, Pizzonia voltou para Williams para ser piloto de testes em 2004 e foi até bem, conseguindo 4 sétimos lugares. Quase virou titular em 2005, mas a BMW pagou mais que Petrobras e Nick 'barba' Heidfeld assumiu o lugar. Mas depois ele também se machucou e lá foi Pizzonia fazer as 5 corridas finais. Mais um sétimo lugar em Monza, levou mais outro pau do Mark Webber, o que foi suficiente para ele nunca mais ter outra chance na F1

Kazuki Nakajima - Essa história é engraçada: no fim de 87, a Honda impôs que se a Williams quisesse permanecer com seus motores, teria que contratar Satoru Nakajima e Tio Frank mandou os japoneses pastarem. Vinte anos depois, Por imposição da Toyota, que passou a fornecer motores para Williams, o filho de Satoru, Kazuki, foi contratado como piloto de testes. E com a repentina aposentadoria de Alex 'Metalman' Wurz antes da última prova, fez Tio Frank promover o japa para titular. Algo que ele fez por DUAS temporadas. em 2008, conseguiu pontuar em algumas provas - sexto lugar na Austrália foi seu melhor resultado na carreira - mas em 2009 terminou com zero pontos enquanto seu companheiro Nico 'Youtuberman' Rosberg fez 34.5 pontos e terminou o campeonato em sétimo. nem preciso dizer que quando a Toyota saiu da F1, Kazuki saiu junto,né?


Pastor Maldonado - Sim, o homem que sabe-se lá como é o autor da última vitória da Williams em 2012, está na lista. Apesar da vitória, e do até bom campeonato de 2012, Maldonado arrumou treta em pelo menos 25% das corridas que participou pela equipe, com toques em adversários, saídas de pista e pancadas de responsa. Seu estilo Win or wall EXTREME EDITION deixou os fãs com saudades dele, afinal não tinha corrida sem acidente com ele na pista, mas deixou a Williams bem enrolada com ele, que durou TRÊS TEMPORADAS. Depois foi levar suas batidas para Lotus, fazendo uma dupla explosiva com Grosjean

Lance Stroll - Quando todo mundo pensava que a Williams tinha se livrado de um piloto pagante manetão, em 2017 vem o Canadense Lance Stroll pilotar pela equipe, com o pai dele despejando dinheiro na equipe do Tio Frank. em 2017, com o carrinho mais ou menos, ele conseguiu um pódio - sabe-se lá como - em Baku, palco de corridas loconas. ele deveria ser o segundo, mas como era virjão na F1 tomou um passão do Bottas na linha de chegada e ficou em terceiro. em 2018, com um carro mais bosta, nem teve como fazer algumas merdinhas para animar a galera como fez em 2017. após pentelhar bastante o seu pai, conseguiu outro brinquedo, digo equipe melhor, a Racing Point (que nome escroto)


Sergey Sirotkin - Ah, o russo só disputou uma temporada, mas já ficou marcado, porque conseguiu levar pau do LANCE STROLL em 2018, marcando apenas um mísero ponto. Aí, mesmo com toda grana que ele despejou na Williams- que fez um carro bem merda, convenhamos - ele foi chutado para 2019, já que a Williams está apostando no George 'Ben10' Russell e robert 'Iberê Tenório' Kubica


Postagens Relacionadas

0 comentários:

Anterior Página inicial Proxima