Markus Winkelhock,

Por onde anda? Markus Winkelhock, a LENDA

7/17/2018 F1 Fanático 0 Comentarios












   

Sei que  esse quadro tem piloto com alcunha de lenda e que vocês ficam duvidando, mas esse cara é LENDA com direito a Caps lock! Markus Winkelhock, filho de Manfred e sobrinho de Joachim, era o herdeiro da família Winkelhock nas pistas. Ele acabou perdendo o seu pai em um acidente em 1985 aos 5 anos, mas mesmo assim, manteve vivo o sonho de se tornar piloto.

Nos anos 90, após correr no kart sem birlho, Markus foi para os monopostos em 1998 e começou a ganhar corridas nas F-Konnig(98), na F-Renault Alemã(99) e F-Renault europeia (2000). em 2001, foi para a F-3 alemã, onde ficou por três anos, tendo o melhor resultado em 2003 (quarto lugar)

Em 2004 migrou para DTM, mas ele ficou zerado a temporada toda. Muitos já duvidavam do talento do menino Markus quando em 2005 ele foi para os monopostos novamente correr na World Series. Venceu duas corridas, mas ficou marcado pelos acidentes sofridos na prova de Mônaco, na qualificação e na primeira volta da corrida. Terminou em terceiro lugar no campeonato, que foi vencido por um tal de Robert Kubica

Em 2006, ele começou a galgar os seus passos na F1 virando piloto reserva da Midland, correndo nas sextas-feiras no Bahrein,Austrália, Alemanha e Hungria. em 2007 a Midland virou Spyker, e Markus continuou como piloto reserva. Paralelamente, ele voltou a correr na DTM, tentando apagar o fiasco de 2004.

Após o GP da Gra Bretanha quando Chrstijan Albers saiu com a mangueira acoplada no carro durante os boxes, e sem patrocínios ele foi convidado a se retirar da equipe e Markus Winkelhock teria sua chance de ouro no GP da Europa, em Nurburgring, graças a uns patrocínios marotos.

Winkelhock ficou com o último tempo para o grid, sem muitas surpresas, pois não conseguiu superar seu companheiro de equipe Adrian Sutil. O tempo estava instável e Markus fez a cartada que mudou sua vida. Enquanto todos estavam com pneus secos, -ainda não chovia - Winkelhock estava com pneus intermediários, largando dos boxes.

Na primeira volta, a chuva apertou. E os carros com pneus intermediários, eles tinham que ir bem devagar para poder trocar os pneus, isso quando não batiam. Já Markus foi galgando posições - estava em décimo na primeira volta e na segunda volta ele já estava em primeiro, com direito a uma ultrapassagem em Kimi Raikkonen! Na quarta volta, ele já tinha TRINTA E TRÊS segundos de vantagem para o segundo colocado, Felipe Massa, de Ferrari! Foi aí que o Safety Car foi chamado e acabou com a vantagem do alemão. Na volta sete, a corrida recomeçou e sem a diferença, ele foi presa fácil para Massa e Alonso, que vinham logo atrás. Em três voltas, estava em décimo sexto e na décima quinta volta, abandonou.

Essa acabou sendo a primeira e única corrida de Winkelhock na carreira, já que apareceu Sakon Yamamoto, um manetão japonês e endinheirado que comprou sua vaga e que salvou a Spyker da falência antes dos fim da temporada 2007, que depois vendeu o seu espólio para Force India.


Já Winkelhock fez história pois das 14 voltas dadas na carreira, liderou 6, as seis únicas voltas lideradas por um carro da Spyker. Markus também foi o único piloto a largar em último e liderar uma corrida na F1 em seu primeiro GP. 

Famosão, Markus foi correr na DTM, no Team Rosberg (sim, o Kekão tinha uma equipe na DTM), onde teve resultados regulares. Ficou na categoria até 2010. Em 2011, migrou para o campeonato mundial de GT,onde ele conseguiu o primeiro título da carreira em 2012, vencendo o campeonato em parceria com Marc Basseng.

Depois Markus Winkelhock migrou para Blancplain Series, onde está até hoje, com o melhor resultado um segundo lugar em 2017. no campeonato de 2018, ele está em segundo. Mas nada disso importa, já que ele mitou na F1 em apenas uma corrida!


Postagens Relacionadas

0 comentários:

Anterior Página inicial Proxima