Olivier Beretta,

Por onde anda? Olivier Beretta , o último monegasco antes do Leclerc

5/21/2018 F1 Fanático 0 Comentarios



Um principado que tem GP todo ano e quase não tem pilotos na F1. Essa é a situação de Mônaco, que antes de Charles Leclerc, teve como último representante Olivier Beretta, que se aventurou rapidamente na F1, mas acabou fazendo muito sucesso nos carros de endurance.

Beretta começou sua carreira automobilística na França, pilotando em campeonatos de Kart em 1983. Seis anos depois e com um melhor resultado um vice-campeonato nacional na categoria até 125cc, ele migrou para F3 Francesa em 1989, onde ele ficou por três anos - em 1991, ele disputou a F3 britânica em conjunto com a francesa. Em 1992, abriu uma vaga na F3000, na estreante Piquet Racing - Sim, Piquet já teve uma equipe de F3000, em parceria com Nigel Stepaney, aqueeele do caso de espionagem. Nélson Piquet, também morador do principado, fez amizade com Beretta e resolveu ajudar a carreira do rapaz também virando seu manager.


Só não sabia Beretta, que Nelsão não ia poder executar sua função de manager, já que em 1992 uma senhora panca sofrida pelo brasileiro  nas 500 milhas de Indianapolis o deixou muito tempo no hospital. Sem muito auxílio, Beretta teve que se virar na equipe. Resultado: quatro de dez provas completadas,  e três nonos lugares como melhor colocação e a equipe Piquet terminou- voltando treze anos depois na GP2, para ajudar Nelsinho Piquet. Beretta resolve se mudar para a Forti Corsi em 1993 e vence logo na primeira corrida, mostrando que aquele poderia ser o seu ano. Mas não foi, embora ele tenha sido bem melhor, ficando em sexto no campeonato e ainda fazendo uns testes na então pré-falimentar Lotus.

Em 1994, ele viu que era a hora de dar o tão sonhado salto para a F1: Arrumou patrocinadores e comprou uma vaga na Larrousse. E apensar do início ruim, repleto de abandonos, ele vai bem em Mônaco (8º), Alemanha (7º)  e Hungria (9º) quando a grana acaba e ele carinhosamente chutado por Gerard Larrousse para dar lugar a Phillip Alliot, o De Cesaris sem grife.

PUTASSO com a F1, Beretta resolve desistir desse lance de Monopostos e vai para o campeonato de endurance. Em 1996 entra para o Time da Oreca e pilotando um Dodge Viper e a partir de 98, começa a mostrar a que veio, ganhando o campeonato GT em 98 (dupla com Pedro Lamy) e 99 (Dupla com Karl Wedlinger), e em 2000, venceu as 24 horas de Daytona de maneira épica, vencendo os protótipos, junto de Wedlinger e Dominique Dupuy. em 2003, ele fez uma pausa nos campeonatos de endurance para voltar a F1 como piloto de testes da Williams, função que ficou por dois anos.


Em 2004, passou a dirigir um Corvette e sua série de títulos aumentou. juntando o período com a Oreca e a Corvette, Beretta venceu vezes o campeonato da American Le Mans Series, 6 vezes as 24 horas de Le Mans (Na classe GT). A partir 2012 tem pilotado uma Ferrari GT em eventos esporádicos, mas não tem conseguido bons resultados e a última vez que participou das 24 horas de Le Mans, foi em 2015.. Mas Beretta tem o reconhecimento de ter sido um dos melhores pilotos de GT do mundo.

O que faz atualmente? ultima notícia esportiva dele é que ele disputou a Asian Le Mans, com a Ferrari em 2016. Ele deve estar morando naquele lugar feio e sem graça de Mônaco, com aquela vista horrível...



Postagens Relacionadas

0 comentários:

Anterior Página inicial Proxima