Huub Rottengatter,

Por onde anda? Huub Rothengatter, o 'Deus dos Ratos'

4/04/2017 F1 Fanático 0 Comentarios



Hubertus 'Huub' Rothengatter foi apenas mais um dos holandeses que tentaram brilhar na F1. Em uma época que a holanda tinha um GP - Zandvoort - Rothengatter, nascido em 8 de outubro de 1954, começou sua carreira na Holanda e depois migrou para as F3 Alemã e europeia em 1977, sem conseguir muita coisa de relevante nas duas categorias. Após mais uma temporada razoável nas duas F3, Huub foi para a F2, onde ficou por 3 anos - o que corrobora a tese de quando um piloto fica 3 anos ou mais na categoria de acesso à F1, é porque ele não é tão bom assim - com o melhor resultado um sétimo lugar em 1980, ficando à frente de um tal de Nigel Mansell, na época apoiado pela Lotus de Colin Chapman. Se bem que esse ano o campeão da F2 foi Brian Henton e ninguém lembra o que essa cara fez no automobilismo.

Após mais uma temporada na F2 em 1981. Rothengatter resolveu esperar pela sua grande oportunidade na F1. Ficou os anos de 1982 e 1983 parado por causa disso. Só no meio da temporada de 1984, quando  o glorioso Mauro Baldi deixou a Spirit no meio da temporada, abriu uma vaga para Rothengatter na inestimável equipe.


E na sua primeira corrida, veio o momento mais marcante da carreira de Rothengatter na F1. Alguém, sabe-se lá porque, perguntou para Nikki Lauda, o que achava do estreante. E Lauda não entendeu o nome do holandês e repetiu: 'Quem, Rattengott?' Rattengott em alemão, significa o 'Deus dos Ratos'. Nem preciso dizer que o apelido pegou,né?

Na sua estreia no Canadá ele correu 14 voltas e abandonou; Em Detroit, não conseguiu se qualificar. Somente na temperatura amena de Dallas, foi que ele conseguiu se destacar. largou em 23º, à frente da Williams de Jacques Laffite. Estava bem até abandonar depois de 15 voltas. Na Grã Bretanha conseguiu a melhor posição de grid da carreira, um vigésimo segundo lugar. Em Hockenheim e em Monza ele teria os melhores resultados com um nono na Alemanha, a quatro voltas do vencedor e um oitavo na Itália, a três voltas do vencedor (se fosse hoje,hein?).Detalhe: Em Zandvoort ele não conseguiu se qualificar, mas por ser holandês, abriram uma exceção para o rapaz, que abandonou por problemas no acelerador.


Só que após o GP da Itália, Mauro Baldi resolveu voltar - com mais grana provavelmente - e assim, Rottengatter estava mais uma vez a pé. E situação só se resolveu no meio da temporada de 1985, quando Piercarlo Ghinzani - Já citado em outro por onde anda - Foi para a Toleman e a gloriosa Osella abriu uma vaga. E lá foi o Deus dos Ratos, que nas duas provas que conseguiu completar, foi bem. terminando em nono na Áustria e em sétimo - melhor resultado da carreira - no GP estreante da Austrália, terminando quatro voltas atrás do vencedor e três atrás do sexto colocado!


Em 1986, Ghinzani voltou para o seu grande amor Osella e Rottengatter só conseguiu uma vaga quando a lendária ZakSpeed inscreveu um segundo carro para fazer companhia ao também lendário Jonathan Palmer. E das 14 corrida que ele participou, ele não consegiu largar em 3 e só terminou duas: O GP do Canadá onde ficou em décimo segundo e o GP da Áustria, onde terminou em oitavo.

Em 1987, ficou sem vaga na F1 - seu patrocinador deve ter desistido de torrar dinheiro à toa - E ele ainda tentou uma última coisa, que foi anunciar em jornais da holanda pedindo patrocínio. Seu sonho era atrair a Phillips, também holandesa, mas como sabemos, a carreira dele terminou ali e a Phillips não foi louca de patrociná-lo

Entre 87 e 90, ele simplesmente desapareceu das pistas, mas em 1991 ele volta, agora na condição de Manager de um jovem talento holandês campeão de Kart, chamado Jos Verstappen. E o garoto tinha o apoio da Phillips! Ele então leva o seu garoto ao GP da Bélgica daquele ano - quando estreou um tal de Michael Schumacher - e vai falar com Eddie Jordan.

Após dois anos brilhando nas categorias de base, Rottengatter começou a marcar testes com as equipes de F1: Arrows, McLaren e Bennetton. Segundo relatos, Jos impressionou pilotando a McLaren e Ron Dennis quis assinar com o garoto para ser piloto de testes, mas parece que Briatore ofereceu mais grana e assim Verstappen assinou para ser piloto de testes da Bennetton.

O que não se esperava era que J.J Lehto, titular ao lado de Schumacher, ia dar uma senhora pancada nos testes e ficar impossibilitado de correr. Mas nas corridas que disputou em 94, Verstappen quase mata 3 no Brasil e quase vira churrasquinho em Hockenheim. Em 95 ele é emprestado para Simtek e aí Rottengatter, arruma gloriosas equipes para ele, como Arrows, Tyrrell e Stewart. Faz Jos assinar como piloto da futuro equipe da Honda na F1, mas o pôjeto é abandonado e em 2000, Jos assina com a Arrows e Minardi e encerrando sua parceria com Rottengatter em 2003, que foi muito criticado por gerir mal a carreira do menino Jos.

Atualmente, Huub tem curtido a aposentadoria fazendo esportes radicaise trabalhando em estações de energia na Holanda. Em entrevista a um jornal da Holanda, ele comentou sobre sua carreira "Em uma análise simples, eu não era bom o suficiente. o Cronômetro não mente..."

Postagens Relacionadas

0 comentários:

Anterior Página inicial Proxima