Giedo Van Der Garde,

Por Onde anda? Giedo Van Der Garde, o 'Tretêro'

3/28/2017 F1 Fanático 0 Comentarios


Tem piloto que faz de tudo para estar na fórmula 1 e faz um tremendo barraco se não consegue. O holandês Giedo Van der Garde, nascido em 25 de abril de 1985, é um deles. Em 2000, ele se destacou na formula Renault e conseguiu uma vaguinha na academia de jovens de pilotos da Renault. Dividindo o tempo entre o kart e os monopostos, foi campeão do mundo de kart em 2002.

Em 2004, foi para Formula 3 euro e terminou o campeonato em nono. Aí a Renault viu que ele não era tão bom assim e o dispensou de sua academia. Em 2005, foi correr no Team Rosberg (equipe do seu Kekão) e ficou em nono de novo. Em 2006 era para ser o seu ano, pois ele foi para a equipe que tinha dominado o campeonato de 2005, vencido por um tal de Lewis Hamilton. Mas tendo como companheiro de equipe um Tal de Sebastian Vettel e de Paul di Resta, que fez o holandês terminar na sexta posição. Como consolo, ele se tornou piloto da academia de jovens da McLaren e assinou um contrato para ser piloto reserva da gloriosa Super Aguri para 2007.


E aí começa a treta. Em fevereiro a equipe holandesa Spyker estreava na F1 e Van der Garde foi anunciado como piloto reserva. ele que foi para a World Series para ser companheiro de equipe de um desconhecido Sebastian Vettel, tinha um contrato vigente com  Super Aguri e aí o caldo desandou. Um imbróglio na justiça só deixou Van Der Garde exercer a função de piloto de testes só em junho de 2007. Na World Series, mesmo com a saída de Vettel para F1, ele não desencantou e ficou em sexto no campeonato.


A vida amorosa ia bem e ele casou com a herdeira da empresa de roupas McGregor. E como o sogrão gostava muito de corridas e do seu genro, ele tinha sempre aquele patrocínio maroto para ajudar Van der Garde. Ele se manteve como piloto de testes da nova Force India, que tinha comprado a Spyker e em 2008 ele foi campeão da World Series, batendo o inestimável Julien Jousse com duas corridas de antecedência.


Em 2009, Van der Garde não conseguiu abrir as portas da F1 com o título da World Series e assinou com a GP2, onde ele ficou quatro longas temporadas. E quando vemos que um piloto fica quatro temporadas na categoria de acesso da F1, é porque ele é ruim à beça. Em 2012, sua sorte mudou, pois ele voltou a ser piloto de testes, pela terceira vez, agora na Caterham, que já estava desesperada por grana.


Em 2013, ele virou piloto titular e finalmente estreou na F1 aos 28. Seu contemporâneo e """"rival"""", Vettel, já era tri mundial. Ele brilhou no voltante da Caterham conseguindo o seu melhor resultado, um décimo quarto lugar no GP da Hungria. No campeonato, só ficou a frente do glorioso Max Chilton. Seu grande feito em 2013 o lhe proporcionou a alcunha de 'DeVaGarde'

Em 2014, ele virou piloto de testes pela quarta vez, agora da Sauber. E aí vem a outra treta, que ficou mais conhecida. Van der Garde tinha um contrato com a Sauber que lhe daria a posição de titular em 2015. Mas Marcus Ericsson e Felipe Nasr apareceram com um caminhão de grana e a Sauber não pensou duas vezes em assinar com os dois e deixar Van Der Garde a pé. Só que o holandês é 'tretêro', não quis ficar assim e foi para o pau, melhor dizendo para os tribunais, reclamando de quebra de contrato.


E ele conseguiu vencer na justiça, na semana do GP da Austrália de 2015 e na sexta feira ele apareceu vestindo um macacão da Sauber e dizendo: "vou correr nessa p*rra" Mas a Sauber guardou todos os seus carros, dispensou os mecânicos e assim, ele ficou a pé. Tio Bernie teve que interceder a situação e assim Nasr e Ericsson disputaram a prova. Depois Van Der Garde e Sauber chegaram a um acordo, com o holandês abdicando de sua vaga ganha na justiça por módicos 16 milhões de dólares. Após toda a confusão, Van Der Garde afirmou que fez tudo isso para mostrar ao mundo a situação dos pilotos, que por muitas vezes não tem o seu contrato honrado.

Em 2016, Van der Garde foi campeão europeu da Le Mans Series na categoria LPM2 e disputou as 24 horas de Le Mans, abandonando a prova. Em 2017 ele vai estar na categoria de novo e ainda está fazendo o papel de Coaching do jovem piloto da GP3 Stechin Schothorst. Ele também é um ótimo comentarista de corrida do twitter, recomendo o seguirem por lá

Postagens Relacionadas

0 comentários:

Anterior Página inicial Proxima