Por Onde Anda

Por Onde anda? Piercarlo Ghinzani, o Osella-man

2/05/2017 F1 Fanático 0 Comentarios


O italiano Piercarlo Ghinzani, nascido em 16 de janeiro de 1952 estreou na fórmula 1 aos 29 anos -Sim, teve uma época que o cara só estreava na F1 depois dos 25 anos e depois de ter corrido em todas as categorias possíveis - Ele estreava na equipe que seria o seu sinônimo na F1, a simpática Osella, do italianão Buona Gente Enzo Osella. Ele pilotava pela Lancia no mundial de Endurance e viu uma vaga sobrando na equipe italiana para disputar o GP da Bélgica de 1981 - que era em Zolder - , pois o glorioso Miguel Angel Guerra bateu no GP de San Marino e quebrou o tornozelo e pensou, porque não? Mas segundo a lenda, Enzo Osella só chamou Ghinzani  por causa do clássico "não tem tu, vai tu mesmo"

Ghinzani largou em vigésimo quarto e terminou em décimo terceiro deixando uma boa impressão no tio Enzo mais pobre da F1. Em 1983, Ghinzani foi convidado a pilotar pela Osella novamente, mas com uma condição: ele teria que se dedicar exclusivamente a equipe e abandonar a sua equipe de endurance. E não é que Ghinzani fez isso? ele só correu nas 24 de LeMans, mas ficou a temporada inteira se dedicando à Osella, com o seu melhor resultado sendo um décimo primeiro lugar na Áustria única prova em que ele conseguiu completar.

Perguntando sobre ter algum arrependimento por ter largado a vaga de uma equipe de fábrica no mundial de endurance para correr em uma nanica da F1, Ghinzani proferiu sua clássica frase: "é melhor estar na Fórmula 1 andando no fim do grid do que não estar"

1984 foi o grande ano dele na F1, com um miraculoso quinto lugar no GP de Dallas, também conhecido como sucursal do inferno além de ter sobrevivido não se sabe como a um acidente em Kyalami. Em 1985 no meio da temporada, ele foi chutado  pela Osella que vendeu o cockpit para um paydriver maroto, mas ele se deu bem, foi correr  promissora Toleman recém comprada pela Bennetton e quando todo mundo pensou que o Ghinzani agora ia, ele conseguiu abandonar todas as provas que largou além de 2 DNS. Que beleza.

Como ele sobreviveu essa panca? Talvez nem o Ghinzani saiba..


1986 e ele volta para onde? A Osella querida do coração do italiano. mas essa foi uma temporada horrível para o italiano que só completou uma prova, Austria, décimo primeiro lugar -Deja vú de 1983. Em 1987 e 1988, ele trai o movimento Osella indo para Ligier e Zakspeed., mas em 1989, aos 37 anos, ele volta para o seu grande amor na F1 e disputa a temporada ao lado  de um jovem Nicola Larini . Resultado: Ele só conseguiu largar em três corridas - era a famosa época da pré classificação - abandonou nas três provas, Hungria, Espanha e Austrália. Austrália aliás, foi no famoso dilúvio de 89, que Ghinzani foi acertado por trás por Nélson Piquet , que simplesmente não viu o italiano por causa da chuva absurda que caia. Assims e encerrava a gloriosa carreira de Ghinzani na F1. a Osella aguentou mais um ano até ser comprada e rebatizada como Fondmetal. Abaixo você o vídeo do glorioso acidente em quase o apelido de viúvas ficou para os fãs do Piquet, afinal ele bateu com a cara na roda de Ghinzani: 


Após sua sáida na F1, ele criou uma equipe a Team Ghinzani, que correu nas F-3 italiana, alemã, europeia, F-3000 itlaiana e europeia e A1 Grand Prix entre 1992 e 2009. Depois ele se cansou da p#rra toda e saiu vendendo tudo, inclusive sua coleção de Osellas queridas em 2015 e virou dono de uma Cantina em algum lugar da toscana.

Após 111 Grandes prêmios e 76 largadas,Ghinzani mantém um recorde na F1 que até hoje se mantém imbatível! É o piloto com mais corridas a nunca ter se classificado entre os dez melhores do grid de largada. Gênio, sem mais.

Postagens Relacionadas

0 comentários:

Anterior Página inicial Proxima